"O educador nunca estará definitivamente pronto, formado, pois que sua maturação se faz no dia a dia na meditação teórica sobre a prática." (Lukesi)

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Estruturação didática da aula

O trabalho docente sendo uma atividade intencional e planejada requer estruturação e organização, a fim de que sejam atingidos os objetivos do ensino. A indicação de etapas do desenvolvimento da aula não significa que todas as aulas devam seguir um esquema rígido. Devemos entender, portanto, que as etapas ou passos didáticos não precisam, necessariamente, seguir uma ordem linear, mas também, dependem dos objetivos e conteúdos das matérias.
Os passos didáticos são os seguintes:Preparação e introdução da matéria; tratamento didático da matéria nova; consolidação e aprimoramento dos conhecimentos e habilidades; aplicação, controle e avaliação.
Primeiro passo: preparação da matéria nova, motivação inicial. Inclui perguntas para averiguar se os conhecimentos anteriores estão efetivamente disponíveis e prontos para os conhecimentos posteriores.
Segundo passo: tratamento didático da matéria: o trabalho docente consiste em promover as condições e os modos de assimilação e compreensão da matéria pelos alunos, incluindo já exercícios e atividades práticas para solidificar a compreensão.
Consolidação e aprimoramento dos conhecimentos: é preciso que os conhecimentos sejam organizados, aprimorados e fixados na mente dos alunos, a fim que estejam disponíveis para orientá-los nas situações concretas de estudo e da vida. Os procedimentos de consolidação que podem ser aplicados em formas de exercícios que levam à fixação e a formação de habilidades e hábitos, auxiliando a sistematização. A recapitulação (revisão e recordação) se presta afirmar conhecimentos anteriores e ligá-los aos novos dando mais eficácia ao aprendizado.
A aplicação
A aplicação é a culminância relativa ao processo de ensino. O objetivo da aplicação é estabelecer vínculos do conhecimento com a vida de modo a suscitar a independência de pensamentos e atitudes críticas e criativas expressando a sua compreensão da prática social. Ou seja, a função pedagógico-didática da aplicação é a de avançar da teoria a prática é colocar os conhecimentos disponíveis a serviço da interpretação e análise da realidade.
Controle e avaliação dos resultados escolares
A verificação e controle do rendimento escolar para efeito de avaliação é uma função didática que percorre todas as etapas do ensino, e abrange a consideração de vários tipos de atividades do professor e dos alunos no processo de ensino. Os resultados relativos que decorrem desse processo dizem respeito ao grau em que se atingem os objetivos em que se cumpram as exigências do domínio dos conteúdos, a partir de parâmetros de desempenho escolar. Para isso são empregados procedimentos e instrumentos de mensuração (observação, provas, testes, tarefas, exercícios teóricos e práticos) que proporcionam dados quantitativos e qualitativos.
Fases coordenadas do processo de ensino
Preparação e introdução implicam o entrelaçamento dos conhecimentos anteriores com o conhecimento novo.
Primeira fase: Trabalho com a matéria velha Exercícios
Recordação
Memorização
Segunda fase: transmissão e assimilação da matéria novaAspectos externos (métodos de ensino)
Aspectos internos (métodos de assimilação ativa)
Percepção
Formação de conceitos: desenvolvimentos de capacidades cognoscitivas e operativas (observação, imaginação, raciocínio, síntese, generalização, etc.)
Articulação entre as fases (primeira e segunda fase)Consolidação
Recordação
Sistematização
Fixação
Aplicação
Avaliação e controle do ensino-aprendizagem
REFERÊNCIA
LIBÂNEO, JOSE CARLOS. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

Nenhum comentário:

Postar um comentário